Dois milhões de economia e seiscentos mil já foram devolvidos a Prefeitura

por DRIELY PINOTTI publicado 22/10/2018 10h50, última modificação 22/10/2018 16h14
22 de Outubro de 2018

Valorizar o dinheiro público. Com esse foco, Miley Alves (PV) implantou uma gestão transparente e planejada, pautada na economicidade e na parceria com o Executivo por entender que essa união de forças repercute no bem comum, “No Exercício de 2018, no período de janeiro a setembro, economizamos R$ 2 milhões e já devolvemos R$ 600 mil. Dessa forma, dando a nossa parcela de contribuição para o desenvolvimento do município, permitindo a agilidade no término de obras que vão ao encontro das necessidades básicas da população e mais qualidade na prestação de serviço, com investimento em estruturas e compras de equipamento”, afirmou.

Dos R$ 600 mil devolvidos aos cofres públicos, R$ 100 mil foi direcionado para melhorar as condições de trabalho da Coordenadoria Municipal de Trânsito e Transporte Urbanos (CMTU). O restante foi destinado a Secretaria de Infraestrutura para aquisição de maquinários e, com isso, atender com mais eficiência a demanda da zona rural que é grande e também da cidade.

Essa ideia de valorizar o dinheiro público fica mais clara quando é observada a quantia de verba devolvida a Prefeitura pela 9ª Legislatura. Em 2017, R$ 1,9 milhão foi o valor que retornou para o Poder Executivo. Dinheiro revertido em obras que atendem e melhora a qualidade de vida da população. Essa economia possibilitou a retomada de obras de unidades de saúde que estavam paralisadas, quando essa gestão assumiu. Eram cinco, das quais três já foram entregues à população. E estão em pleno funcionamento. Para Miley, isso é “parceria, de fato, inquestionável”.

Outros valores dessa economia serão utilizados para obra de infraestrutura na estrada que liga os bairros Primavera III ao Tuiuiú, projeto esperado com ansiedade pela população, pela economia e facilidade que representa para quem trabalha no centro.

Conforme o presidente da Casa de Lei, Miley Alves, essa economia é fruto de um trabalho de reorganização de setores, com suporte necessário, para que os vereadores desenvolvam suas atribuições. Ele ainda enfatiza que, de modo geral, o Poder Legislativo tem utilizado menos dinheiro previsto no orçamento e a Câmara também tem diminuído os gastos em empenhos; como telefone, combustível, energia elétrica e outras despesas, que ao comparar com os últimos três anos (2015 a 2017), esses gastos compreendem uma economia de mais de R$ 200 mil. “Gerir com responsabilidade o dinheiro público é fator fundamental para que possamos cumprir o nosso papel e justificar a confiança que a população nos deu”, finalizou e enfatizou “acredito que até final do ano o valor a retornar aos cofres públicos passará de R$ 2 milhões”.